SANTA MONICA

SANTA MONICA

domingo, 22 de julho de 2018

CONVENÇÃO TUMULTUADA PMN rejeita candidatura, e Valéria Monteiro é expulsa de convenção

Jornalista e advogado do PMN retirados à força de convenção



A jornalista Valéria Monteiro foi impedida de falar e acabou expulsa da convenção, como o pré-candidato ao Senado Marivaldo Neves. (Foto: Valter Campanato/ABr)



Em convenção realizada neste sábado (21) em Brasília, o PMN rejeitou a candidatura da jornalista e apresentadora de televisão Valéria Monteiro à Presidência da República. O partido decidiu que não terá candidato a presidente nem apoiará nenhum dos outros postulantes ao Palácio do Planalto no primeiro turno.
A convenção foi marcada por discussões entre os filiados e por um princípio de tumulto. Valéria Monteiro pediu a palavra ao presidente nacional do PMN, Antônio Carlos Massarolo, para falar aos demais colegas de partido, mas teve o pedido negado. Mesmo com a negativa, Valéria insistiu em falar e desferiu críticas ao partido.
“Não é possível que nessa crise que o Brasil atravessa, os partidos matem a democracia e só falem sobra alcançar a cláusula de barreira”, afirmou Valéria. O presidente do PMN Antônio Carlos Massarolo orientou que seguranças retirassem Valéria da convenção, o que causou ainda mais tumulto.
Valéria acabou sendo retirada da convenção pelos seguranças, assim como o advogado Marivaldo Neves, pré-candidato ao Senado pela Bahia.
Valéria afirmou que o presidente do partido agiu de maneira absolutista ao impedir a sua fala. “É só um exemplo de como o sistema eleitoral brasileiro é fraudulento. Ele não dá voz ao debate e toma decisões aleatoriamente de forma antidemocrática”, diz Valéria, que promete ingressar com uma ação na Justiça para anular a convenção.
Procurado, o presidente do PMN Antonio Carlos Massarolo não atendeu às ligações da reportagem.
Ex-apresentadora do Jornal Nacional e do Fantástico, da Rede Globo, Valéria Monteiro anunciou em setembro do ano passado que disputaria a Presidência da República. Para isso, filiou-se ao PMN em janeiro deste ano.
O partido chegou a anunciá-la como pré-candidata ao Planalto, mas, antes mesmo da convenção, desistiu de ter candidato próprio. Mesmo com a decisão, Valéria entrou com um mandado de segurança na Justiça Eleitoral para que seu nome fosse submetido aos membros da legenda em convenção partidária.

Fonte;Diário do Poder

sábado, 21 de julho de 2018

Apoio dividido Igreja Assembleia de Deus vai apoiar Caiado, Daniel Vilela e José Eliton

Fotos: Arquivo
Criou-se o mito de que os evangélicos marchariam unidos na campanha do pré-candidato a governador pelo DEM, senador Ronaldo Caiado. Na verdade, os evangélicos, como em outras religiões, votam em candidatos de vários partidos.
A Assembleia de Deus esteve fechada 100% com Ronaldo Caiado? Nunca. Na semana passada, dois religiosos da Assembleia de Deus, um vinculado ao Ministério Vila Nova, disseram que, apesar das pressões, vão apoiar o candidato do PSDB a governador, José Eliton. Um deles é peremptório: “Não dá para deixar de bancar o candidato apoiado por Marconi Perillo. Ele foi o governador que mais bem tratou os evangélicos na história de Goiás. O mínimo que se pode dizer é que é respeitoso conosco”. Um dos pastores garante que José Eliton terá um voto silencioso na Assembleia de Deus. “Deve passar de 25%”, afirma. O ex-deputado estadual Daniel Messac (PTB), da Vila Nova, apoia o postulante tucano.
Daniel Vilela, pré-candidato do MDB a governador, conta, dizem pastores evangélicos, com pelo menos 35% do apoio da Assembleia de Deus. Entre seus articuladores estão o pastor Abigail Almeida e seu filho, Samuel Almeida, ex-deputado e ex-secretário da Prefeitura de Goiânia na atual gestão de Iris Rezende.
Ronaldo Caiado deve ter, segundo cálculo de pastores, cerca de 40% dos votos dos integrantes da Assembleia de Deus. É muito, mas bem menos do que o senador esperava inicialmente. Seu principal apoiador é Oídes José do Carmo, bispo respeitado na Assembleia de Deus.

Fonte:Jornal Opção

Eleições 2018: convenções partidárias para escolha de candidatos podem ser realizadas a partir desta sexta-feira (20)


Até dia 5 de agosto, partidos devem determinar quem concorrerá nas Eleições Gerais deste ano e definir eventuais coligações

Logo Eleições 2018



A partir desta sexta-feira (20) até o dia 5 de agosto, os partidos políticos podem realizar convenções para definir as coligações e escolher os candidatos para as Eleições Gerais de 2018. Após deliberação dos filiados da agremiação, os candidatos escolhidos poderão pedir o registro de candidatura à Justiça Eleitoral. Nesse último caso, a legislação eleitoral estabelece o dia 15 de agosto como data-limite.
As convenções partidárias são reuniões de filiados a uma legenda para análise de assuntos de interesse do grupo. A Lei das Eleições (caput do artigo 8º), por sua vez, define os prazos para a escolha dos candidatos e a deliberação das coligações (união de dois ou mais partidos a fim de disputarem eleições) nos anos em que se realizarem os pleitos. Nestas eleições, serão escolhidos durante as convenções os candidatos aos cargos de presidente e vice-presidente da República, governador e vice-governador, senador e respectivos suplentes, deputado federal e deputado estadual/distrital.
Para a realização das convenções de caráter eleitoral, os partidos poderão usar gratuitamente prédios públicos, responsabilizando-se por eventuais danos causados com a realização do evento.
Com a homologação das convenções realizadas a partir desta sexta-feira, será permitida a formalização de contratos que gerem despesas e gastos com a instalação física e virtual de comitês de candidatos e de partidos políticos. No entanto, o efetivo desembolso financeiro somente pode ocorrer após a obtenção do número de registro de CNPJ do candidato e a abertura de conta bancária específica para a movimentação financeira de campanha e emissão de recibos eleitorais.
RC/RR
Gestor responsável: Assessoria de Comunicação 


Fonte: TSE

Daniel Vilela propõe lei que aumenta recursos para inovação e tecnologia

WhatsApp Image 2018-07-11 at 11.59.22.jpeg





Projeto de lei de autoria do deputado federal e pré-candidato a governador de Goiás, Daniel Vilela (MDB), visa injetar recursos federais na área de Ciência e Tecnologia. O texto apresentado pelo parlamentar prevê alterar natureza do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia (FNDCT) de contábil para financeira e permitir que fique de fora dos contingenciamentos de recursos da União.
“Trata-se de uma alteração na Lei de Responsabilidade Fiscal e que, na prática, vai garantir mais dinheiro para pesquisa e inovação”, explica Daniel Vilela. O Brasil ocupa hoje a 64ª posição no ranking mundial de inovação, elaborado Organização Mundial de Propriedade Intelectual. “Subimos cinco posições em relação ao último ano, mas é preciso avançar mais e a forma de fazer isso é investindo pesado na área”, afirma Daniel Vilela.  
A medida conta com o apoio da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), uma empresa pública de fomento à ciência, tecnologia e inovação em empresas, universidades, institutos tecnológicos e outras instituições públicas ou privadas. Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, o presidente da Finep, Marcos Cintra, afirma que “o setor de inovação no Brasil é financiado quase que exclusivamente pelo FNDCT” e, por isso, a alteração pode dar um forte impulso ao desenvolvimento da ciência no país.
O pré-candidato a governador de Goiás é um entusiasta da tecnologia e a coloca como ponto central no desenvolvimento de seu plano de governo. “Anunciamos recentemente os pilares de nosso projeto e a interconexão permitida pelas novas tecnologias vai permear nossas propostas onde for possível na máquina administrativa”, afirma.
A sistematização dos dados de saúde dos goianos e a disponibilização de uma interface para smartphones é uma das propostas já apresentadas. A tecnologia de monitoramento eletrônico e todo o aparato que permite com que essa vigilância digital se converta em mais segurança para população também está no radar de Daniel.
“A ordem é colocar Goiás de vez no século 21 para dar mais agilidade e conforto no serviços oferecidos ao cidadão, e usar os meios disponíveis para transformar Goiás novamente num lugar seguro para se viver”, afirma o emedebista. "Queremos um governo com menos política e mais gestão, com foco na transparência e eficiência".
Daniel também é autor de emenda que vai fomentar iniciativas inovadoras para atender a população de Goiás no serviço público. Em parceria com a UFG, o deputado destinou R$ 500 mil para que empresas de tecnologia ou pessoas físicas apresentem projetos inovadores para melhorar a vida das pessoas. A universidade vai selecionar as melhores ideias e os recursos de emenda serão direcionados para colocar os projetos em prática. "Buscamos fomentar o ecossistema de tecnologia e inovação em Goiás, fortalecendo este segmento econômico que gera empregos de alta qualidade, e também gerando como consequência melhores serviços para os cidadãos", diz Daniel.
Goiás
O deputado lembra que os dados mais recentes do Ranking de Competitividade dos Estados, elaborado pela Centro de Liderança Pública (CLP), indicam que Goiás vai mal quando o assunto é inovação. O desempenho de Goiás vem caindo nos últimos anos e está abaixo da média nacional. No quesito “inovação”, Goiás atinge 11,7 pontos numa escala de 0 a 100, ocupando a 17ª posição entre as 27 unidades federativas. A média do país é de 27 pontos.
“A conversa do pessoal que está há 20 anos no governo de Goiás era de que o estado iria chegar a 2018 como um dos estados mais competitivos do Brasil e, infelizmente, não é isso que estamos vendo”, afirma o pré-candidato. No ranking geral, Goiás ocupa a 13ª posição, com 43,3 pontos. Outra vez atrás da média nacional, de 47,9 pontos. “Quando olhamos para o ranking e vemos que os investimentos em pesquisa e desenvolvimento só caem, chegamos à conclusão de que Goiás precisa de uma renovação das práticas administrativas para retomar o rumo do crescimento econômico e sem perder o bonde da revolução gerada pela nova economia”, afirma Daniel Vilela.

Fonte: Diário de Goiás

Articulação -- Centrão resolve apoiar Alckmin na disputa presidencial

Ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin| Foto: Reprodução / PSDB

 Anúncio oficial do acordo deve ocorrer na próxima quinta, dia 25


Em reunião nesta quinta-feira (19/7), a cúpula dos partidos que compõem o centrão decidiu que vai apoiar Geraldo Alckmin, do PSDB, na disputa presidencial, e não mais o pedetista Ciro Gomes.
O anúncio oficial do acordo deve ocorrer na próxima quinta, dia 25. Enquanto isso, os comandos do DEM, PP, PR, SD e PRB vão comunicar as lideranças regionais de seus partidos e resolver questões de alianças em cada Estado. As informações são do jornal “Folha de S. Paulo”.

Fonte: Jornal Opção

sexta-feira, 20 de julho de 2018

CORRIDA AO PLANALTO PSC lança ex-presidente do BNDES como candidato à Presidência

Anúncio foi feito durante a convenção partidária; siglas têm até 5 de agosto para decidirem nomes


Ex-presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro é candidato do PSC à Presidência. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)



O Partido Social Cristão (PSC) lançou hoje (20), em Brasília, o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimentismo Econômico e Social (BNDES) Paulo Rabello de Castro como canditado à Presidência da República. O partido é presidido pelo Pastor Everaldo.
Nascido no Rio de Janeiro em 1949, Rabello de Castro, de 69 anos, é doutor em economia pela Universidade de Chicago. Foi presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e mais recentemente comandou o BNDES, de junho de 2017 a março de 2018.
Fundador da SR Rating, primeira empresa brasileira de classificação de riscos de crédito, é também autor de mais de 10 livros. Ex-presidente do Lide Economia, coordenou até junho de 2016 o Movimento Brasil Eficiente.
Liberal por formação e convicção, Rabello defende o estabelecimento de um sistema tributário mais enxuto e eficiente. Também é favorável à redução da máquina do Estado. Antes de se filiar ao PSC, em 2017, foi do Partido Verde (2002-2010) e do Partido Novo (2016-2017). (ABr)

Fonte:Diário do Poder

Prefeitura de Águas Lindas fortalece parcerias com objetivo de impulsionar economia local




A Prefeitura de Águas Lindas de Goiás por meio da Secretaria Municipal de Indústria, Comércio, Desenvolvimento Econômico, Cooperativismo e Agricultura, estabeleceu uma serie de parcerias para fomentar o comércio e a produção do município com intuito de gerar emprego e renda para a comunidade.
O titular da pasta, o vereador licenciado Anderson Teodoro, destacou o trabalho desenvolvido pelo prefeito Hildo do Candango no sentido de estabelecer as parcerias necessárias para o cumprimento desta meta.
“Hoje a secretaria tem em sua estrutura uma séria de serviços que estão disponíveis para os empreendedores do município. Temos o Sebrae que presta um importante serviço de consultoria, o sistema de inspeção municipal (SIM), o Banco do Povo que realiza empréstimos até o limite de 15 mil reais, a EMATER que presta um excelente serviço de apoio aos produtores rurais. Estes serviços todos num só lugar facilitam o acesso dos que necessitam deste tipo de atendimento. Temos trabalhado em parceria com vários segmentos resultando no fomento de nossa cadeia produtiva, o que tem atraído novos investidores para o município”, falou o secretário.
O último serviço conveniado que está à disposição dos empreendedores do município foi o firmamento do Convênio com a Agência de Fomento de Goiás S/A. Agora a cidade de Águas Lindas conta com a Goiás Fomento que possui linhas de crédito para micro e pequenas empresas, profissionais liberais e pequenos produtores rurais, com taxas bastante atraentes que possibilitam o fortalecimento dos empreendimentos.
A Secretaria de Indústria e Comércio está localizada às margens da BR 070 no setor Vivendas Paraiso nas proximidades do Posto Ponteio e funciona de segunda a sexta-feira das 08:00 às 12:00 e das 13:00 às 17:00 com atendimento personalizado.
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas

Da Assessoria de Comunicação da Prefeitura
Fotos: ASCOM

EVASÃO DE ELEITORES PARA O DISTRITO FEDERAL EM BUSCA DE UMA ASPIRAÇÃO IRREAL

A imagem pode conter: 11 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e terno
(Foto: Divulgação/ Internet 18/07/2018)



Segundo a visão do vereador Osmar Rezende, a  evasão de eleitores para o Distrito Federal traz à tona a falta de conhecimento político da população. Num país democrático, como é o Brasil, as eleições são fundamentais, como também é de suma importância votar na cidade em que se reside, possibilitando a escolha de governantes que fazem e executam leis que interferem diretamente em nossas vidas.
Ontem, dia 18 de julho, em Assembleia Geral Extraordinária, realizada na Associação dos Municípios Adjacentes a Brasília - AMAB sob a presidência do Prefeito Hildo do Candango e autoridades dos poderes Legislativo e Executivo, com o fito de deliberar sobre a adequação do seu Estatuto Social aos 12 novos municípios incluídos na RIDE, através da Lei Complementar n° 163, sancionada no último dia 14 de junho pelo Presidente, Michel Temer, e reconhecimento ao empenho do Senador Helio José, relator do PLC 102/2015, com a justificativa da busca da promoção de uma redução das diferenças socioeconômicas do entorno.
O que contrapõem a matéria publicada pela jornalista Helena Mader do Correio Braziliense, no ultimo dia 10 de julho com a informação de que mais de 37 mil eleitores transferiram o título para o DF este ano. O Estado de Goiás tem o maior número de migrações, com o total de 9,9 mil eleitores que procuraram a Justiça Eleitoral com o interesse de votar em Brasília. No município de Águas Lindas de Goiás, saíram 1.795 eleitores em 2018.
Mas o que motiva os moradores do entorno a transferirem seus títulos?
Essa ampla influência política de Brasília instalada em toda a RIDE/DF reflete-se nos projetos de políticas públicas que buscam amenizar os problemas populacionais existentes, como, por exemplo, programas assistenciais dos governos estadual, distrital e federal. Tais iniciativas, como a inclusão dos novos municípios a RIDE que atualmente totaliza 34 municípios são de suma importância, pois garantem a igualdade socioeconômica entre o DF e o entorno.
Dessa forma, é ilusório pensar que a prática de voto no DF poderá atender as reais necessidades da população. É necessário conscientizar a população sobre a importância de votar na cidade em que reside e, além disso, a autorresponsabilidade do eleitor sobre o seu voto, garantindo assim efetivas mudanças no seu município.
Vivemos tempos difíceis na política em nosso país, que em grande parte é originada pela falta de conhecimento político quanto ao voto. Mas é certo que as melhorias só virão através do voto consciente depositado no candidato com identidade política e comprometimento com o município e região. Em suma, é necessário convocar todos os cidadãos a refletirem sobre a maneira como encaram a política em suas cidades.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Divulgar fotografias de vítimas de acidentes pode se tornar crime

Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) realiza sabatina de indicado para compor o Conselho Nacional de Justiça (CNJ).   Em pronunciamento, senador Ciro Nogueira (PP-PI) á bancada.  Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Edilson Rodrigues/Agência Senado



Proposições legislativas


Divulgar na internet imagens de vítimas não fatais de acidentes pode passar a ser considerado crime. É o que propõe o senador Ciro Nogueira (PP-PI) no Projeto de Lei do Senado (PLS) 79/2018, que está atualmente em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aguardando indicação do relator.
O projeto altera o artigo 140 do Código Penal ao estabelecer detenção de um a três anos, além de multa, pena similar ao crime de vilipêndio de cadáver. Ciro Nogueira argumenta que expor e divulgar na internet imagens de pessoas mortas é considerado crime conforme a interpretação do artigo 212 do Código Penal, mas que há uma lacuna nos casos de exposição de pessoas feridas.
“Apesar da indiscutível ofensa à imagem e à privacidade, o legislador, até agora, não criminalizou essa deplorável conduta, assim como também não tipificou a divulgação de imagem de pessoa em situação vexatória. Tais práticas têm repercussão, somente, na esfera cível, se o ofendido promover ação indenizatória. Ocorre que a sanção pecuniária não tem sido eficaz para reprimir a prática dessas condutas”, afirma o senador no texto da proposta.
Agência Senado 

Notícias do TJGO --Corregedoria-Geral da Justiça cria de forma inédita Banco de Projetos Sociais

bancodedados













Em iniciativa inédita, a Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás (CGJGO) instituiu nesta semana, por meio do Provimento nº 25, de 11 de julho de 2018, o Banco de Projetos Sociais para regulamentar a destinação de recursos provenientes de condenações por danos morais coletivos em ações judiciais para entidades sociais públicas e privadas. A implementação desse banco ocorre através de sistema disponibilizado na internet destinado ao cadastro e ao envio de documentos eletrônicos de profissionais interessados em participar do recebimento de verbas fixadas em condenação por dano moral coletivo, bem como de doações espontâneas oriundas de homologações judiciais. 

Conforme estabelece o provimento, somente após a sentença judicial transitar em julgado, com certidão nos autos, em observância ao Provimento nº 68, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de 3 de maio deste ano, os valores de condenação ou homologação judicial poderão ser remetidos à entidade pública ou privada com finalidade social ou projeto social, desde que previamente cadastrado no Banco de Projetos Sociais da CGJGO. Para habilitação das entidades ou do projeto social deverão ser obrigatoriamente apresentados documentos como comprovação de regular constituição, em caso de entidade, e da finalidade social, identificação completa do diretor responsável, inclusive com cópias do RG ou do CPF do gestor do projeto, e cópia do projeto a ser executado.
No projeto deverão constar a identificação dos responsáveis pela execução, os objetivas e justificativa, o prazo inicial e final, o tipo de pessoa a que se destina, a indicação de beneficiários diretos e indiretos, o valor total instruído com no mínimo três orçamentos, e o cronograma de execução. Esse pedido será devidamente submetido à análise de um dos juízes auxiliares da Corregedoria, especialmente destinado pra esse fim. Assim que o cadastramento for validado pelo magistrado designado, com a inclusão do nome e de todas as informações inerentes ao projeto social ou entidade cadastrada, os dados serão disponibilizados em espaço próprio atribuído à consulta aberta, com acesso permitido pelo site do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO).
Segundo dispõe o artigo 13 do referido provimento, é vedada a destinação de recursos ao custeio do Poder Judiciário, para promoção pessoal de magistrados ou integrantes das entidades beneficiadas e, no caso destas, para pagamento de qualquer tipo de remuneração de seus membros, para fins políticos partidários e às entidades ou projetos que não estejam regularmente constituídas e cadastradas no Banco de Projetos Sociais da Corregedoria. Será publicado ainda, anualmente, pela Corregedoria, edital convidando as entidades públicas ou privadas com finalidade social para participarem do processo seletivo de projetos que tem como finalidade a obtenção dos recursos oriundos das condenações em dano moral coletivo. Ao final da efetivação do projeto, as entidades beneficiárias deverão apresentar ao juiz do processo, dentro do prazo que ele ficar, relatório contendo planilha detalhada dos valores gastos, com as respectivas notas fiscais, e descrição dos resultados alcançados.
Critérios, fiscalização e transparência
Para o corregedor-geral da Justiça de Goiás, desembargador Walter Carlos Lemes, que assinou o provimento, a iniciativa representa um grande avanço e atua, inclusive, como facilitadora do trabalho social na magistratura. Além de enaltecer o trabalho de juízes, promotores, servidores e advogados que, a seu ver, colaboraram para que o banco fosse implantado na prática, devido às dificuldades enfrentadas para destinar os recursos provenientes de condenações por danos morais coletivos em ações judiciais, ele observou que a prestação de contas da entidade será submetida a homologação do juiz da unidade após manifestação de servidor indicado pelo magistrado ou comissão especial e Ministério Público. “Todo o processo será transparente com respeito aos princípios da administração pública, pois o juiz deverá dar publicidade ao processo depois da homologação das contas, demonstrando, assim, a destinação dos valores, em um campo específico do site do TJGO. A não homologação da prestação de contas acarretará em eventual descadastramento da entidade, após análise apurada do juiz da unidade judiciária”, pontuou.
Idealizador do Banco de Projetos Sociais, o juiz Murilo Vieira de Faria, auxiliar da Corregedoria, explicou que essa medida é uma compilação do trabalho e da experiência dos Operadores do Direito com essas situações cotidianas e deixou claro que essa ação da CGJGO, que obedece uma série de critérios específicos contida no provimento, propicia segurança jurídica, previsibilidade nas decisões, transparência com o cadastramento das entidades, assim como ao trabalho desenvolvido, e facilita a fiscalização por parte da própria sociedade.
O magistrado também evidenciou que essa dinâmica na área cível é diferente da penal, já regulamentada pela Corregedoria. “As doações voluntárias para entidades devidamente cadastradas no Banco de Projetos Sociais da Corregedoria serão facilitadas e esses recursos empregados no âmbito social. Contudo, devem ser observados todos os parâmetros especificados no provimento como a prestação pública das contas e o envolvimento do Ministério Público. Com essa medida, a Corregedoria dá mais um passo à frente porque também contribui para uma mudança cultural efetiva na sociedade”, ressaltou. 

(Texto: Myrelle Motta - assessora de imprensa da Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás)

Em congresso das Assembleias de Deus, José Eliton ressalta importância da igreja no trabalho social

José Eliton - Marconi Perillo - Oides José do Carmo - Comenad-GO - Catalão - Foto Wagnas Cabral 02.jpg




Com o sentimento de gratidão e se sentindo muito honrado, o governador José Eliton saudou os participantes da 64ª Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da Convenção Estadual dos Ministros Evangélicos das Assembleias de Deus no Estado de Goiás (Conemad-GO), neste domingo (15/07), em Catalão. Estava ao lado do ex-governador Marconi Perillo, do Bispo Oides José do Carmo, do médico Cornélio Dias Barbosa Neto, atual pastor-presidente do Campo de Catalão. 
A 64ª AGE Conemad teve como tema “Somos Um - Unidade, União e Comunhão”. O objetivo do evento, segundo os organizadores, é o de estimular a união, incentivar o progresso espiritual, material e cultural das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus no Brasil, no estado de Goiás, zelando por sua unidade doutrinária e observância dos princípios bíblicos.                   
O governador falou do importante trabalho que a igreja realiza em prol dos que mais precisam e dos valores da família. “É uma honra muito grande ter oportunidade de estar aqui hoje. Venho aqui, bispo  Oides José, com sentimento de gratidão, primeiro pelo convite para estar presente neste evento relevante para o Estado de Goiás. Manifesto minha gratidão pela ação social desenvolvida pela igreja Assembleia de Deus, gratidão pela sempre presença em todos os temas de relevo para Estado e de valores e princípios que são defendidos com muita clareza por esta igreja, reconhecendo valores que são comuns a todos nós: a fé, a família, a vida, valores que preenchem, valores que nos dão um futuro melhor”, afirmou José Eliton. 
O Campo de Catalão reúne 5 mil fiéis e hoje é composto por 31 congregações distribuídas entre os municípios de Anhanguera, Campo Alegre de Goiás, Cumari, Davinópolis, Goiandira, Nova Aurora, Ouvidor, Pires Belo, Santo Antônio do Rio Verde e Três Ranchos.

Fonte;Diário de Goiás

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Alunos carentes poderão receber bolsas no ensino superior

Especial Cidadania - Novo financiamento estudantil.   Centro Universitário de Brasília - UniCEUB  Foto: Pillar Pedreira/Agência Senado
Pillar Pedreira/Agência Senado



Proposições legislativas



Estudantes com nota superior a 400 no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e com renda familiar abaixo de um salário mínimo e meio poderão se candidatar a bolsas de estudos em instituições privadas de ensino superior. É o que prevê o Projeto de Lei do Senado 339/2018, por meio da criação do Fundo de Incentivo à Formação Superior (FIFS).
Pela proposta do senador Pedro Chaves (PRB-MS), o FIFS será financiado por recursos da União e contribuições de particulares e de organizações, além da receita de operações realizadas pelo fundo. As bolsas cobrirão 60% dos encargos regulares dos cursos, sendo 20% restantes arcados como abatimento pela instituição de ensino e 20% pelo aluno. Os cursos contemplados pelo FIFS poderão ser presenciais ou à distância e os bolsistas deverão cumprir exigências de desempenho acadêmico para que não percam o benefício.
O projeto tramita atualmente na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), onde aguarda o recebimento de emendas. Logo após, será votado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), cabendo a esta a decisão terminativa.
Oportunidades
Segundo Pedro Chaves, o FIFS se destina a complementar o Programa Universidade para Todos (Prouni), que opera com base em isenções tributárias para as instituições participantes, mas “parece ter chegado a certo limite”. Ele considera que um novo fundo, capaz de captar doações de pessoas físicas e jurídicas através de incentivos fiscais, poderá aumentar as oportunidades de ensino superior para alunos carentes.
Na justificativa de seu projeto, o senador destacou que o número de matrículas em cursos de graduação se expandiu rapidamente nas últimas décadas, sendo o setor privado responsável por três quartos do total de alunos.
“A despeito de algumas iniciativas para democratizar o acesso às instituições de ensino superior públicas, é o setor privado que abriga a maioria dos alunos de baixa renda. De fato, é notória a inversão que se dá no sistema educacional brasileiro, em que os mais ricos estudam em escolas privadas ao longo da educação básica, mas vão para o ensino superior público, justamente por terem obtido uma melhor formação de base”, explicou.
Agência Senado 

Notícias do TJGO--- TJGO encaminha para Alego proposta de reestruturação judiciária, com criação de 33 novas varas













A Corte Especial do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) aprovou a minuta de projeto de lei para reestruturação judiciária, que inclui a criação de 33 novas varas. A medida busca atender ao aumento da demanda do Poder Judiciário nos últimos anos, principalmente no interior, com distribuição equitativa de processos. A proposta foi encaminhada nesta terça-feira (17) para a Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, onde será apreciada.
As novas unidades judiciárias serão destinadas à família, violência contra mulher e área criminal. Segundo o presidente do TJGO, desembargador Gilberto Marques Filho, “as varas que vão abranger execução penal atendem, inclusive, a medida de regionalização dos presídios, uma vez que os presos não devem mais se concentrar na capital e em Aparecida de Goiânia”.
Entre as novas varas, destaque para duas destinadas ao combate ao crime organizado. A primeira, com sede em Goiânia, vai abranger os territórios das comarcas de Anápolis, Goianápolis, Trindade, Senador Canedo, Nerópolis, Goianira e Guapó e Aparecida de Goiânia. A segunda terá sede em Luziânia e se estenderá às comarcas de Cristalina, Valparaíso de Goiás, Cidade Ocidental, Novo Gama, Santo Antônio do Descoberto, Águas Lindas, Alexânia, Padre Bernardo e Planaltina.
O anteprojeto inclui, também, entre outros pontos, a reclassificação das comarcas de Senador Canedo, Pires do Rio e São Luís de Montes Belos de intrância inicial para intermediária. Os magistrados atualmente titularizados nesses locais poderão exercer opção para que a promoção se efetive na respectiva unidade, no prazo de cinco dias, contados da data da publicação do ato.
Segundo Grau
O anteprojeto também abrange o segundo grau de jurisdição, com o acréscimo de seis desembargadores ao quadro atual do TJGO. Conforme explica o presidente, com a novidade “cada Câmara Cível terá mais um magistrado, o que evitará empate em votações, tornando mais ágil os julgamentos”. 

(Texto: Lilian Cury - Centro de Comunicação Social do TJGO)

terça-feira, 17 de julho de 2018

Brasília Está Entre Os 10 Piores Sistemas De Transporte Público Do Mundo, Diz Estudo


Morador da capital espera, em média, 28 minutos para embarcar. Governo diz que levantamento é impreciso e ignora critérios importantes.


Por G1 DF e TV Globo
Um levantamento produzido pelo instituto de pesquisa americano Expert Market com base  em dados coletados em 74 dos principais centros urbanos do mundo apontou que Brasília tem um dos 10 piores sistemas de transporte público do mundo.
Para montar a classificação, o instituto levou em consideração os seguintes critérios:
  • Tempo de viagem
  • Espera para pegar a condução
  • Distância total
  • Custo mensal do transporte relacionado ao salário médio da população
Os piores sistemas de transporte público
PosiçãoPaísCidadeNota
65ºReino UnidoLondres68.18
66ºEstados UnidosMiami72.87
67ºColômbiaCáli75.96
68ºBrasilBrasília77.52
69ºCanadáToronto78.56
70ºBrasilSalvador78.71
71ºTurquiaIstambul81.78
72ºBrasilSão Paulo83.71
73ºColômbiaBogotá84.12
74ºBrasilRio de Janeiro86.26
Segundo a pesquisa, Brasília apresenta o segundo pior tempo médio de espera por ônibus ou metrô no mundo: 28 minutos. Apenas Salvador (33 minutos) tem situação pior.
Na questão do deslocamento médio diário por meio de transporte público, Brasília (1 hora e 36 minutos) fica à frente apenas de Bogotá, na Colômbia (1 hora e 37 minutos).
Já o valor gasto em passagens consome, em média, 5,77% da renda mensal de quem usa o transporte público – entre as cidades brasileiras, só não é pior do que Curitiba e Rio de Janeiro.
Pesquisa coloca transporte público do DF entre os piores do mundo
Pesquisa coloca transporte público do DF entre os piores do mundo
A Secretaria de Mobilidade do Distrito Federal alegou que o aplicativo utilizado como base da pesquisa “não tem precisão nem eficácia” na capital e disse que o estudo não leva em conta outros critérios importantes.
“Nós temos linhas com 100 km. As pessoas ficam mais tempo dentro do transporte, claro, porque nós temos grandes distâncias a serem vencidas”, afirmou o secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno.
O secretário apontou que o estudo não considera critérios como integração, bilhete único, corredor exclusivo, qualidade dos terminais, treinamento dos motoristas e idade média da frota, por exemplo.
“Estão comparando cidades que transportam de 50 mil a 100 mil pessoas por dia com cidades que transportam de 1 milhão a 2 milhões por dia”, disse.

Fonte: G1 

Governo de Goiás --José Eliton faz balanço de 100 dias à frente da administração estadual

Governador falou sobre ações realizadas e implantadas nas áreas da Saúde, Segurança Pública, Cultura, Habitação e Ensino Superior
Divulgação

Por Ângela Moureira



Em coletiva a imprensa nesta terça-feira (17/7), o governador de Goiás José Eliton (PSDB) apresentou o balanço de 100 dias de ações desenvolvidas no primeiro semestre de 2018, no Palácio Pedro Ludovico Teixeira.
Durante a divulgação de dados José Eliton falou sobre ações realizadas e implantadas nas áreas da Saúde, Segurança Pública, Cultura, Habitação e Ensino Superior.
Dentre os números apresentados, o tucano destacou o cumprimento de metas do Plano de Governo, que segundo divulgado já alcançou a marca de 97,53% do que foi pactuado com a população em 2014. Das 202 metas estabelecidas, 71,29% já estão quase concluídas, restando 26,24% que já estão em andamento. A reunião contou com a presença de auxiliares do governo.
José Eliton destacou também os resultados de programas e ações iniciadas após ter assumido o governo no dia 7 de abril, como o Programa Terceiro Turno na saúde e os avanços na área de segurança Pública.
Segundo ele, foram investidos R$ 36 milhões no Programa Terceiro Turno da Saúde, onde mais de 13.488 procedimentos foram realizados, entre cirurgias, exames e consultas, em nove hospitais estaduais na capital e no interior, com 18 especialidades médicas, 10 especialidades cirúrgicas, 13 tipos de exames.” A meta é chegar a 98 mil procedimentos até o final de 2018”, disse.
Eliton falou ainda dos hospitais que já estão em fase final de construção e citou a unidade de Uruaçu. “A primeira etapa Hospital Estadual Geral e Maternidade de Uruaçu-Hemu, no norte do Estado, foi inaugurada no final de junho. Com 82% das obras já concluídas, a unidade será referência hospitalar na região”, assegurou.
Na área de Segurança Pública o governador destacou os investimentos de R$ 110 milhões no sistema prisional e a criação de programas como Mais Segurança, lançado em abril deste ano, e que contribuiu para a queda de todos os índices de criminalidade, de janeiro a junho deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

Fonte:Jornal Opção